Grande Otelo/1949 - Clique para ampliarEle não era um galã típico e nem tão pouco chamava a atenção pelo seu porte atlético. Mas esse pequeno homem – tinha apenas 1,50m de altura – provou ser um gigante na arte de interpretar, superando preconceitos de todo tipo, com garra e muita luta.

Grande Otelo decidiu o seu destino logo aos oito anos, depois de assistir ao filme O Garoto, de Charles Chaplin. Pronto. Estava resolvido! Aos nove anos, o pequeno Sebastião Bernardes de Souza Prata estreava no teatro profissional com a peça Nhá Moça, na cidade de Campinas. Depois disso ele não parou mais.

Ator dramático de enorme talento, comediante fenomenal, um verdadeiro showman. A genialidade de Grande Otelo pode ser vista em 118 filmes, diversas novelas, musicais e programas humorísticos, além de composições e interpretações de dezenas de sambas. Isso sem contar o seu lado poeta: em 1993, pouco antes de morrer, Otelo publicou um livro de poesias.Teatro Grande Otelo

Não é por acaso que o Friburgo batizou o seu teatro com o nome deste artista verdadeiramente brasileiro. Grande Otelo representa o espírito de nosso povo que luta pelos seus sonhos contra todas as adversidades!

 Fatos sobre o artista
>
Grande Otelo nasceu em Uberlândia, mas nunca soube o dia exato. Então escolheu a data de 18 de outubro de 1917 por ter sido a data de seu batizado.
> O seu nome também foi escolhido por ele e alterado duas vezes junto ao Juizado.
> As tragédias fizeram parte da vida do artista. Seu pai morreu esfaqueado e sua mãe era alcoólatra. Mas a pior tragédia aconteceu quando a antológica cena de Romeu e Julieta de Carnaval no Fogo foi filmada. Nela, Otelo interpreta uma engraçadíssima “Julieta” contracenando com Oscarito, no papel de Romeu. Nesse dia, a mulher de Otelo matou o filho do casal de seis anos e se suicidou em seguida. Otelo ficou muito abalado e levou 30 anos para conseguir assistir àquela cena do filme.
> Quando seu pai morreu, fugiu com uma trupe de teatro mambembe que passou pela cidade e foi adotado pela diretora do grupo.
> Em 1932 entrou para Companhia Jardel Jércolis, pai do ator Jardel Filho e um dos pioneiros do teatro de revista. Foi aí que ganhou o apelido que o consagrou.
> Na Companhia Jardel Jércoles, Grande Otelo viajou em turnê pela América Latina e se apresentou em Portugal e na Espanha. De volta ao Brasil, passou a brilhar nos palcos dos principais cassinos brasileiros e dos mais importantes teatros do Rio e de São Paulo.
> No Cassino da Urca, Otelo foi a grande estrela, desde a criação até o fechamento da casa, em 1946.
> Além de suas inúmeros filmes ao lado de grandes comediantes como Oscarito e Ankito, Otelo viveu o herói sem caráter de Macunaíma, filme de 1969 dirigido por Joaquim Pedro de Andrade, baseado na obra de Mário de Andrade.
> Seu trabalho no palco contribuiu para a criação do brasileiríssimo teatro de revista.
> Grande Otelo faleceu em 1993, em Paris, de um ataque do coração fulminante quando viajava para receber uma homenagem no Festival de Nantes.

Leia mais sobre Grande Otelo visitando o site oficial do ator, que foi criado para uma série de ações culturais comemorativas dos 90 anos de seu nascimento.