Parece um paradoxo. Mas não é. Em um mundo cada vez mais individualizado, em que todos exigem que seus espaços sejam respeitados, invasões e guerras entre nações pelo domínio de regiões inteiras do planeta são cada vez mais comuns. Aproveitando a relevância do tema, as disciplinas de Geografia, Educação Física e Fisiologia e Comportamento implantaram este ano um projeto interdisciplinar para trabalhar de forma integrada o conceito de “limites e fronteiras” com os alunos do 8º ano do Ensino Fundamental do Colégio Friburgo.

Comandadas pelos professores Cintia Siqueira, Leandro Duarte, Antonio Calligaris e Bruno Stefani, as aulas apresentaram aos estudantes não apenas a história do conceito, que existe desde o surgimento do homem no planeta, mas também permitiram que aprendessem na prática o que significa respeitar limites, sejam os seus, sejam os do outro.

Em Geografia, os alunos trabalharam com interpretação de textos, mapeamento geopolítico do planeta, identificando conflitos, e elaborando painéis temáticos nos quais identificaram as fronteiras culturais, econômicas, políticas, dinâmicas e as transgressões de fronteiras no mundo atual.

Alunos no JapiJá em Fisiologia e Comportamento, o foco foi nos limites de cada um nos aspectos físicos e sociais. Cada aluno foi convidado a realizar uma colagem mostrando como se vê e sobre como é visto pelos outros. Em Educação Física, o trabalho foi feito por meio de jogos propostos pelos professores e também elaborados pelos alunos. Aproveitando os conceitos discutidos em Geografia, eles montaram suas atividades em um croqui de quadra esportiva. A área da escola na Serra do Japi foi o local escolhido para a atividade de encerramento do projeto.

No Japi, os alunos puderam Serra do Japitraçar fronteiras e limites também em diversas atividades de exploração no meio ambiente local. Entre escaladas e trilhas, aprenderam que o respeito e o trabalho em equipe é a melhor maneira de transpor qualquer obstáculo. Clique aqui e veja as fotos desta saída pedagógica.

“A vivência em campo é única! Sair da teoria e ir para a prática propicia aos alunos uma nova aprendizagem. Os problemas e conflitos aparecem e são discutidos e resolvidos em grupo, Os conceitos trabalhados em sala de aula ganham outros significados quando observados e vividos no contexto de realidade. Foi um trabalho riquíssimo e a participação dos alunos superou as nossas expectativas. ”, explica Cíntia Siqueira, coordenadora do 6º ao 9º anos do Ensino Fundamental.

Mais que uma brincadeira, essas atividades representaram um grande aprendizado. Arbitrados e geridos pelos alunos, jogos e outras atividades promoveram a responsabilidade, o respeito ao coletivo, a ética e a autonomia, coisas que fazem toda a diferença na formação proporcionada pelo Friburgo. Mas não terminou. Agora, os estudantes trabalharão na disciplina de Fisiologia e Comportamento o conceito de atividade física e saúde, discutindo de forma crítica o culto ao corpo perfeito, algo que, nessa idade, persegue os adolescentes de forma mortal.