Para os alunos de 7º ano do Ensino Fundamental do Colégio Friburgo, estudar História e o Renascimento durante a Idade Média virou literalmente um jogo. Para fixar conteúdos importantes da disciplina, como o reflorescimento das cidades, diversos grupos sociais, as atividades econômicas e ofícios da época, os estudantes criaram jogos de trilha, com tabuleiros, dados, roletas, cartas, cartões de sorte ou azar e muita, muita criatividade.

Os grupos de quatro ou cinco componentes – sorteados para evitar a formação de “panelinhas” – puderam escolher entre diversos temas como “De aprendiz a mestre em uma corporação de ofício”, “Viagem de um mercador veneziano de Constantinopla a Alexandria”, “A rota da primeira Cruzada contra os muçulmanos”, “A viagem de um carregamento de seda da China até a feira de Champagne”, “A fuga de um servo para uma cidade”, “Do nascimento de uma cidade à sua autonomia” e “Um comerciante de Bruges percorre a Europa para negociar seus tecidos”.

“Alguns grupos empenharam-se para valer e fizeram trabalhos muito interessantes. Criaram perguntas históricas sobre o conteúdo e somente respondendo corretamente o jogador pode avançar. Além do aprendizado histórico, eles tiveram experiência no planejamento, solução de problemas, divisão de tarefas e relacionamento entre os componentes”, explica o professor Wagner Ribeiro Soares, de História.

Enquanto alguns grupos imitaram jogos já existentes, outros adaptaram suas criações a partir do Banco Imobiliário e do Alunos do 7º anoJogo da Vida. Foi este último justamente o modelo usado pelos alunos Miguel Nahas, 11 anos, Catherine Machado, 12, Júlia Abreu, 12, Silvio Novaes Santini, 12, e Daniel Ramadan, 12, todos do 7º ano B, para criar o jogo “Meste Bondoso”.

Usando materiais simples como cartolina, papel cartão, brinquedinhos de Kinder Ovo, gliter, bisqüi e parafusos, em três semanas eles produziram o jogo para cinco participantes, cujo alvo é fazer com que o aprendiz se torne mestre. “Foi muito legal. Além de conhecermos melhor a vida naqueles tempos, percebemos a dureza daquela sociedade”, diz Miguel.

Mas o jogo, ou melhor, o trabalho ainda não acabou. A próxima etapa será realizada no município de Cabreúva. Lá a idéia é que os grupos estudem as várias etapas do surgimento da cidade e possam comparar com aquilo que aprenderam no trabalho. “Ainda estou fechando a proposta com os professores Leandro, de Geografia, e Silvana, de Português. Mas quando formos para lá, queremos doar os jogos para escolas públicas ou para a biblioteca municipal do município”, conclui o professor Wagner.