Extração de DNANo filme Jurassic Park, produção de enorme sucesso em 1993, um grupo de cientistas reconstruía dinossauros a partir do DNA de um mosquito conservado em cristal de âmbar. Apesar dos pesquisadores da vida real considerarem tal coisa impossível, visto que o material genético é incapaz de sobreviver em adversidades tão grandes, alunos do 2º  e do 3º anos do Ensino Médio do Friburgo passaram por uma experiência igualmente inusitada na quarta-feira, 28 de maio.

 Educador da Exposição Genoma e alunos do 3º EMOs estudantes foram à exposição Revolução Genômica, no Parque do Ibirapuera. Ali, além de aprender a extrair o DNA de um morango, eles realizaram a experiência na prática, observando os filamentos do código genético da fruta a olho nu. Depois, ainda puderam visitar a Trilha da Vida, com animais vivos e empalhados, conhecer diferentes modelos de DNA, aprender os mais modernos conceitos na área e participar de discussões éticas sobre seqüenciamento de genoma e melhoramento genético de plantas.

“A exposição realmente é muito boa. Além de contar com instalações e painéis, ainda é bastante interativa. Agora, o que Alunos na Exposição valeu mesmo foi ver que nossos alunos dominavam todos os conceitos na ponta da língua e estavam preparados para assistir e participar de todas as atividades”, elogia a professora Vera Barreto, Coordenadora do Ensino Médio e acompanhante do grupo.

Entre os alunos, as opiniões se dividiram, mas todos gostaram de algo da exposição. O estudante Patrick Rapp Schafer, 18 anos, do 3º ano, achou muito interessante os exemplos de mutações. “Simularam o que aconteceria a uma mosca se o DNA dela fosse alterado. Foi demais, cada vez que trocávamos uma proteína, as alterações mais escabrosas eram mostradas em uma tela digital”, diz ele.

Sua colega, Marília Guedes Silveira, 17, preferiu a experiência de extração do DNA do morango. “Foi um momento que envolveu a todos nós”, conta. Apesar disso, os alunos acharam que faltou tempo para aproveitar melhor a visita. “É uma exposição muito grande e detalhada. E o tempo que tivemos – 1H30 – foi muito pouco para aproveitarmos. Sem falar que havia muitos monitores que não nos deixavam à vontade para ficar mais tempo em uma instalação ou fazer perguntas”, reclama Patrick.

A aluna Amanda Fechter, 16, do 2º ano, achou a exposição “o máximo”. Segundo ela, valeu à pena participar e conhecer com mais facilidade a formação do DNA. “Mas não gostei do morango. Criaram muita expectativa para pouco. Gostei mais da interação, do dinamismo e da criatividade das instalações. Sinceramente, não esperava que fosse tão legal, com tanta tecnologia”.Percurso da exposição

A exposição Revolução Genômica acontece até o dia 13 de julho no Pavilhão Armando de Arruda Pereira, bem em frente ao Planetário, no Parque do Ibirapuera. De terça a sexta, das 9 às 20 horas, e sábados, domingos e feriados, das 10 às 20 horas. Os ingressos custam R$ 15, estudantes pagam meia e, para menores de sete anos e maiores de 60, a entrada é gratuita. Grupos podem agendar visitas. Mais informações no site www.revolucaogenomica.com.br .

Anúncios