Já passamos da metade de 2008 e a aluna Thais, do 9º ano, segue na primeira posição do ranking estadual de hipismo. Ela disputa a categoria principal onde os saltos passam de 90 cm. As outras categorias são: iniciantes (40 cm), preliminar (60cm) e intermediária (80 cm).  Logo após estas categorias os saltos passam a ser com 1 m, 1m10, 1m20, 1m30, 1m40 e 1,50 e cavaleiros e amazonas precisam saltar com cavalos próprios e não mais de propriedade da escola.

Thais treina três vezes por semana, na Escola do Centro Hípico Aldeia da Serra, e seus irmãos, Paulo do 3º e Pérola do 2º, ambos do Ensino Médio do Friburgo, também a acompanham. “Meus irmãos fazem parte de categorias mais elevadas e que têm menos provas durante o ano, por isso não obtiveram o mesmo resultado no ranking”, explica Thais.

Essa história começou por acaso. Um dia, toda a família foi visitar a hípica que tinha sido adquirida por um amigo do pai de Thais. Neste dia, os três irmãos andaram a cavalo e o contato com o animal foi bem diferente do que ao que estavam acostumados em viagens a estâncias turísticas.

A partir deste dia os cavalos passaram a fazer parte desta família. Há três anos, os irmãos fazem aulas de equitação na mesma hípica, que até já mudou de proprietário, três vezes por semana.

“No início era muito chato, porque tínhamos que treinar galope e trote, aprender as posições e a se equilibrar em cima dos cavalos. Depois que começamos a saltar tudo ficou mais divertido”, conta a amazona que só neste ano foi campeã do Torneio de Verão, do Campeonato de Escolas, e no Campeonato Brasileiro, ficou em 3º lugar no individual e 1º lugar na categoria por equipes.

Thaís e os irmãos, que têm sempre o apoio, incentivo e a torcida dos pais, dividem hoje quatro cavalos próprios. “É importante ter um cavalo reserva e fazer rodízio dos animais entre os irmãos, dessa forma eles se acostumam e podem nos acompanhar em todas as competições”, explica Thais.

Ela ainda não sabe o que vai fazer no futuro, mas tem a certeza de que o hipismo estará para sempre em sua vida, ainda que seja como um hobby. “Além de trabalhar muito a musculatura do corpo, este esporte melhora a postura e a força nos braços e pernas. Se equilibrar em cima de um cavalo, lidar com o nervosismo das provas e buscar concentração são coisas que aprendemos e que interferem na nossa vida”, conclui Thais.