A biblioteca do Friburgo tem um acervo que contabiliza mais de 4 mil livros, com aproximadamente 3600 títulos distribuidos entre obras de referência, livros didáticos e paradidáticos, infanto-juvenis e pedagógicos. Além disso, estão dispóníveis as produções dos alunos como enciclopédias e monografias. O Acesso ao acervo da biblioteca está disponível a todos da comunidade Friburgo.

_____________________________________________________________
CONFIRA NOSSAS DICAS DE LEITURA PARA AS FÉRIAS!

Ensino Fundamental I

O negrinho do Pastoreio e outras lendas gaúchas, Carlos Urbim
Com linguagem acessível e belas ilustrações, a obra resgata uma das histórias mais tradicionais do folclore gaúcho, baseada no texto clássico de Simões Lopes Neto, e a coloca como cenário principal para que também se conte outras lendas que fazem parte do imaginário popular no Rio Grande do Sul.

O carteiro chegou, Janet & Allan Ahlberg
Assim como todo mundo, os contos de fadas gostam de mandar e receber cartas. Cachinhos Dourados aproveita para se desculpar com a família Urso por ter causado confusão na casa. E o que seria da bruxa sem o catálogo de ofertas do Empório da Bruxaria, que esse mês oferece uma promoção especial de mistura para torta Menino Fofo? Por isso, quando o carteiro chega é sempre uma festa, e todo mundo o convida para entrar. Mas às vezes – especialmente em caso de Lobo Mau – ele prefere recusar o chazinho e dar no pé o mais rápido possível. O livro, que é todo contado em rimas, vem cheio de cartas de verdade, postais, livrinhos e convites, com envelope e tudo.

Limeriques da Cocanha, Tatiana Belinky
Mito, utopia, ideologia, sonho que alimenta o imaginário de vários povos, sob as formas mais diversas. A maravilhosa Cocanha é isto: terra de abundância, liberdade, ócio, prazeres absolutos, eterna juventude… Criada por um poeta anônimo francês de meados do século XIII, o poema difundiu-se e foi cantado em verso e prosa durante séculos, em todos os cantos do mundo.
Neste livro de limeriques, Tatiana Belinky explora o imaginário sobre a Cocanha, apresentando aos leitores mirins essa terra da fantasia, inventada há séculos e desejada por muita gente. Uma terra onde não há “nada melhor do que não fazer nada”, povoada por abundância, saúde e prazer.

Desenhando monstros, Ed Emberley
Você sabe desenhar um vampiro com dentes bem afiados? E um lobisomen peludo? O desenhista norte-americano Ed Emberley garante que qualquer pessoa pode desenhar. “Não importa a idade, a nacionalidade ou o talento”, afirma ele. É por isso que os livros de Ed Emberley fazem sucesso no mundo inteiro. A técnica passo a passo mostra que desenhar não é, com o perdão do trocadilho, nenhum bicho de sete cabeças!


O grande livro dos duendes
Quem já viu um duende? Ele pode estar bem perto! Neste livro, descobre-se o mundo mágico onde vivem elfos, duendes e anões. Contos, jogos e histórias alucinantes, com lindos desenhos de premiados ilustradores do mundo todo, irão divertir e mostrar o impressionante universo escondido na natureza.

Ensino Fundamental IIO rapaz que não era de Liverpool, Caio Riter
Marcelo tem 15 anos e vive uma vida de “comercial de margarina”, como ele costuma dizer. Este mundo perfeito, porém, vai por água abaixo quando, numa aula de biologia, o garoto conclui que foi adotado. Tal descoberta põe sua vida de pernas para o ar. Entre trechos de canções dos Beatles, o leitor vai acompanhando seu processo de amadurecimento.
Seleção FNLIJ Catálogo de Bolonha 2006
Prêmio Melhor Livro de Literatura Jovem FNLIJ 2007
Altamente Recomendável FNLIJ 2007

O dia em que Felipe sumiu, Milu Leite
A autora Milu Leite estréia com esta aventura ecológica, ilustrada pelo austríaco Jan Limpens. Tudo começa quando Felipe, munido de seu kit para medição do nível de poluição de água, descobre que a lagoa de sua cidade está contaminada.
A partir daí, uma instigante história de suspense, contada por um narrador bem-humorado, captura o leitor – que não consegue largar o livro antes de descobrir o que houve “no dia em que Felipe sumiu”. Indicado para leitores jovens, que já consigam acompanhar um enredo mais longo. As ilustrações, em ritmo de quadrinhos, feitas em computador, também contemplam o gosto deste leitor.


Fábulas por telefone, Gianni Rodari
Em todas as ruas de todas as infâncias acontecem histórias fantásticas. A coleção Contos da Minha Rua reúne autores que souberam imaginar histórias que poderiam ter acontecido nas ruas da nossa fantasia e contá-las de maneira simples e maravilhosa. Cada livrinho trará sempre um ou mais contos, ricos de fantasia e de linguagem, para entretenimento dos pequenos leitores e para o prazer daqueles que têm o raro privilégio de viver o momento mágico de ler para uma criança.

O último mágico de Bolabambolim, Elsa Bornemann
Alana vai ao teatro com os tios, mas como a peça atrasa, um mágico entra no palco para entreter a platéia. De todos os presentes, somente ela gosta do que vê, e acaba aceitando o convite do mágico Jeremias para viajar ao reino de Bolabambolim, um lugar que só quem acredita em magia pode conhecer.�
Mas ela não será uma visitante comum, tem uma missão a cumprir: salvar o reino das maluquices do “louco da torre”, que de tanto desafiar a natureza, acabou colando o reino em risco. Com a ajuda de um dragão, um homem-balão, um rato voador e diversos outros seres mágicos, ela tem poucos dias para salvar o reino de um colapso.

Como casar com André Martins, Índigo
“A boa lógica diz que a coisa acabaria aí. No entanto, há um detalhe que ainda não contei. Nessa época eu tinha treze anos de idade. Cada dia que passava eu me tornava mais destrambelhada. Minha mãe também estava em idade de transição. Ela estava deixando de ser taurina para virar virginiana, o que podia ser muito perigoso. Meu pai era virginiano e passava álcool nos interruptores. No meu caso a transformação era mais profunda. A dela tinha a ver com planetas. A minha com hormônios em ebulição. No hospital, quando a enfermeira que tinha feito o curativo da mandíbula perguntou se eu estava satisfeita, respondi que sim. Mentira. Eu queria mais. Eu queria um pino.”  André Martins tinha cinco pinos na perna. E esse não era o único motivo pelo qual ela era completamente apaixonada por ele.

Ensino Médio

A metamorfose, Franz Kafka
Certa manhã, ao acordar de sonhos intranqïlos, Gregor Samsa encontrou-se, na sua cama, metamorfoseado num inseto mostruoso. Deitado sobre suas costas duras como uma curaça, viu, ao levantar um pouco a cabeça, sua barriga abaulada, marrom, dividida em arcos rígidos, sobre as quais a coberta, quase escorregando de vez, mal se mantinha. Suas muitas pernas, lamentavelmente finas em comparação ao volume do corpo, agitavam-se desesperadamente sob seus olhos.

Memórias de um sargento milícias, Manuel Antônio de Almeida
Romance precursor do Realismo no Brasil, conta a história do filho de Leonardo-Pataca. Batizado também de Leonardo, é literalmente chutado de casa pelo pai. Criado pelo padrinho barbeiro, sofre desde cedo com sua pouca aptidão aos estudos e ao trabalho e com suas desventuras amorosas. Na obra, Manuel Antônio de Almeida escancara os desmandos da milícia, a promiscuidade do baixo clero e o jogo de interesses e especulações sociais. Transformado em quadrinhos por Lailson de Holanda Cavalcanti, Memórias de um sargento de milícias apresenta uma divertida crítica da sociedade urbana de fins do período colonial.

Pai contra mãe, Machado de Assis
O personagem principal desse conto é um caçador de escravos que, ao se tornar pai, vê-se diante de uma grave crise financeira. Não tendo como sustentar o filho, precisa levar adiante a decisão de deixar o pequeno na roda dos enjeitados. Do outro lado, uma escrava fugida, grávida, busca a liberdade para o filho ainda em seu ventre. O encontro dos dois revela, porém, que nem todos os nascimentos são bem sucedidos. Machado de Assis, através do conto escrito no auge de sua maturidade, joga no rosto da sociedade essa trama inclemente.

No meio-fio, Neir Ilelis
Naquela noite, Laura deitou-se certa de que o dia seguinte seria diferente. O plano havia funcionado direitinho. O padrasto chupara a bala de gengibre envenenada, morreria e a deixaria em paz. Nunca mais apanharia daquele monstro. No entanto, aquela foi a noite mais longa de sua vida e a imagem da mãe e da irmã agonizando envenenadas era um quadro aterrador, impossível de ser esquecido.
No ímpeto de seus quinze anos ela confiou, amou e foi traída. Perceber tarde demais que confiar na pessoa errada pode ser fatal e que a ambição pode estar acima do bem e do mal.

A rosa do povo, Carlos Drummond de Andrade
Publicado originalmente em 1945, a rosa do povo, revela, em grande parte de seus poemas, a plena maturidade do poeta Drummond, representando o auge de um processo que tem suas origens em sentimento do mundo, seu livro anterior. Em contraponto a uma realidade de guerras e genocídio e à ditadura do estado novo, a rosa do povo surge trazendo a solidariedade entre os homens e a busca de uma identidade particular em um mundo em crise como temas principais.
Considerado pela crítica como um dos livros mais fortes e significativos de Carlos Drummond, a rosa do povo, possui uma riqueza inigualável de ritmos e harmonia em seus versos, atingindo a oralidade de um poema que poderia ser lido em praça pública.

Geral

Enterrem meu coração na curva do rio, Dee Brown
Um meticuloso relato da destruição sistemática dos índios da América do Norte. Lançando mão de várias fontes, como registros oficiais, autobiografias, depoimentos e descrições de primeira mão, Dee Brown faz grandes chefes e guerreiros das tribos Dakota, Ute, Sioux, Cheyenne e outras contar com suas próprias palavras sobre as batalhas contra os brancos, os massacres e rompimentos de acordos etc. Enfim, todo o processo que, na segunda metade do século XIX, terminou por desmoralizá-los, derrotá-los e praticamente extingui-los.

Ana Karenina, Tolstoi
Os dois principais personagens, Liévin e Anna, só se encontram uma vez, em toda a longa narrativa. Mas nem por isso estão menos ligados, pois a situação de um permanece constantemente referida à situação do outro. Anna viaja a Moscou para tentar salvar o casamento em crise de seu irmão. Consegue ajudá-lo, mas acaba pondo a perder o seu próprio, apaixonando-se por um aristocrático militar por quem larga o marido e o filho pequeno. Liévin, um rico e jovem proprietário de terras rurais, vive às voltas com problemas de conflitos de classe de seus lavradores e questionamentos existenciais profundos.



O sonho da razão, Anthony Gottlieb
A filosofia é um tema de história longa e memória curta. Em ‘O sonho da razão – Uma história da filosofia ocidental da Grécia ao Renascimento’, Anthony Gottlieb reconstitui essa história como deve fazer um jornalista – basear-se somente nas fontes primárias, onde quer que estejam; questionar o saber convencional; e explicar as coisas da forma mais clara possível.


O perfume, Patrick Suskind
Em Paris, no ano de 1738, Jean Baptiste Grenouille, filho de uma feirante, nasceu em uma barraca de peixe na cidade mais suja e fedorenta do mundo ocidental. Após a morte de sua mãe, sobrevive a doenças e pestes em diversos lares miseráveis. Contra todos os prognósticos, Grenouille acaba desenvolvendo duas características que mudariam sua vida: ao mesmo tempo em que não tinha cheiro algum, era dotado de um olfato apuradíssimo. Este último talento permite que deixe para trás a pobreza para brilhar na indústria da perfumaria.

Ícone, Frederick Forsyth
Verão de 1999. O presidente sofreu um colapso em sua limusise, longe demais de qualquer ajuda para ser salvo, e um velho faxineiro roubou um documento. Depois disso, nada mais seria igual. ‘Icone’ tem todos os elementos que consagraram Frederick Forsyth como um dos melhores escritores de ‘thrillers’ do mundo. O autor de ‘O dia do Chacal’, ‘O dossiê Odessa’, ‘O quarto protocolo’ e ‘A alternativa do diabo’ está de volta com a conhecida dose de realismo político e suspense que deixa os leitores sem fôlego.

Voltar para Infra-Estrutura

 

Anúncios